segunda-feira, 20 de julho de 2009

Um dia terei coragem


Ambos sabemos que algo não está bem. Nunca esteve. Desde o primeiro dia em que tomámos a decisão de viver juntos, que nunca o fizemos como seria de esperar: dias cheios de paixão incendiária, de clima de lua de mel.
Não senti que a relação fosse fortalecida por termos tomado essa decisão, como eu achei que seria natural que acontecesse.
Vivemos juntos há 6 meses e parecem 6 anos.
Não vivemos um período mais apaixonados, a nossa vida sexual piorou muito mesmo e nenhum de nós está na verdade feliz, que é o que se pretende.

Penso todos os dias em regressar a casa, à minha casa. nunca senti esta casa como minha ou sequer nossa. Nunca me apeguei porque estranhamente sempre a senti como transitória e por isso choro sempre que por algum motivo tenho de ir à minha casa. Choro por que sinto que abandonei a minha felicidade. Lá fui feliz, sempre. Todos os dias.

Viver juntos tem que ser benéfico para ambos e eu não sinto isso. Sinto apenas que perdi. Perdi, a nossa paixão, perdi o meu namorado (e não ganhei um marido), perdi o meu tempo, aquele que era só meu e que passei a partilhar, perdi o meu espaço, perdi a independência financeira, pois os custos da actual habitação suplantam os custos da anterior, perdi paz de espírito por ter de andar a fazer contas para saber se o dinheiro chega (e nunca chega!) e perdi o sonho de ganhar um parceiro,um companheiro porque sinto que moramos juntos não vivemos juntos. Não partilhamos nada mais que espaço e agenda social. partilhamos conversas, não partilhamos carinho, amor, ternura, amizade, projectos, planos ou sequer gostos.

Apercebo-me agora, que afinal não te conhecia. E dolorosamente aceito a realidade de que somos tão diferentes. Ninguém tem culpa, somos simplesmente diferentes e queremos coisas diferentes.
Eu gosto de estar isolada, protegida do mundo sempre que posso, tu amas as pessoas, a confusão e os eventos.
Eu amo estar a desfrutar da minha própria pessoa, dos meus livros da minha musica e dos meus pensamentos. Tu adoras estar sempre em movimento, não pensar em nada e estar rodeado de pessoas sempre em festa.
Independentemente de juízos de valor ambos temos direito às nossas escolhas e preferências, desde que não interfira com a vontade e a liberdade do outro e isso não acontece.
Se ficamos em casa, tu não paras um segundo, andas contrariado e nem desfrutas da nossa companhia. Se andamos em eventos sociais, eu ando contraria esgotada e exausta de ver gente.

Andar separados para mim não é solução. Pode ser para muitos casais que conheço que levam vidas separadas e são felizes. Para mim isso não é união. Ao fim do 3ª jantar, casamento ou aniversário de se aparecer sozinho é-se imediatamente rotulado de solteiro e descomprometido e se o mundo nos vês e trata assim é uma questão d e tempo até agirmos em conformidade...e ai começam os problemas.

O que quero dizer com tudo isto, e sem ser uma conversa com efeitos drásticos e definitivos quanto à nossa relação, eu vou voltar para casa.
Preciso de reflectir e perceber se me desencantei ou se me desapaixonei. No caso da primeira, remedeia-se com tempo de qualidade e carinho e atenção, na eventualidade da segunda remedeia-se com separação e recomeço de uma nova vida.

Era isto que tinha para te dizer. Esta situação não faz sentido para mim.
O que me dizes?

4 comentários:

  1. Não tenho nada que me prenda. Incialmente achei que seria uma fase. Passados 6 meses...vejo que não.

    Não ganhei nada em mudar de vida.
    Deixei a minha casa, o fabuloso quintal com vista de serra, a 10 min da praia. Deixei de ter dinheiro. Deixei o ginásio. Deixei de ter tempo. Deixei de dormir à noite. Deixei de ter espaço e passei a viver a TUA vida, não a minha.
    Basta!

    Não aguento mais.
    Por ter descansado 48h em 6 meses já te dá o direito de me arrastares para mais uma merda de um evento social?
    Que não me diz nada?!
    Para que Tu possas estar com os Teus infinitos "melhores amigos", beber, beber, beber, ouvir a Tua musica...fazer uma viagem de 3h e depois regressar domingo à noite pronta para começar mais uma semana de trabalho...

    Que falta de sensibilidade para com as minhas necessidades!
    Acho que de facto não vale a pena falar, dizer que estou cansada e que preciso descansar tem o mesmo efeito do que dizer precisamente o contrario.

    A tua preocupação com o que eu quero, preciso ou peço, transtorna-me....

    Ao fim de 3 anos continuo a ficar estupefacta com a tua falta de consideração...

    ResponderEliminar
  2. Se não te libertas ainda enlouqueces...
    (às vezes penso se não será melhor enloquecer os outros do que nós próprias)

    ResponderEliminar
  3. Ai AnaT, AnaT....racionamente penso isso...que a nossa unica responsabilidade é a nossa propria felicidade...mas o coração sofre com coisas, tipo compaixão, pena, angustia, medo...pelos outros...e vamos sobrevivendo mais um dia para que outra pessoa tenha mais 24h de sol...

    ResponderEliminar

Lovelly, but not for me!

Lovelly, but not for me!