quinta-feira, 6 de maio de 2010

Mais uma chicotada psicologica à hora de almoço

O meu percurso profissional sempre foi o meu calcanhar de Aquiles...não que esteja descontente com os sucessos...mas nunca me senti realizada com o rumo que fui seguindo.

Tenho uma máxima que é: ser o melhor que posso em tudo o que faço e por isso as pessoas que me rodeiam assumem que, porque sou boa profissional, me sinto realizada.

Não podiam estar mais longe da verdade.

Continuo a acreditar que todos temos um dom e um propósito....eu nunca os descobri...

Na verdade o meu dilema foi que nunca soube muito bem o que queria fazer na vida, nunca tive nenhum sonho ...sem sonho nunca cheguei a ter objectivos, ou a estabelecer trajectórias...fui sempre seguindo ao sabor do vento que se faz sentir no mercado de trabalho e dai que uma aspirante a artes, tenha seguido letras e acabado em na área financeira...

Volta e meia entre neste dialogo interior que me consome meses mas nunca me leva a conclusão alguma...

16 comentários:

  1. Infelizmente não consigo indicar-te um caminho nem dar-te uma luz... Gostava muito, mas é uma decisão tua.

    Tenta preencher este desânimo com coisas que gostas de fazer... Artes plásticas por exemplo, mesmo que seja nos tempos livres. E rodeia-te das pessoas que mais gostas. São elas, afinal, que tantas vezes ocupam estes espaços vazios que vão surgindo ao longo das nossas vidas.

    Desejo-te apenas sorte, ou melhor, muita sorte! E força!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Tal e qual como eu...em criança queria ser arquitecta, mas depressa percebi que não tinha paciência para aquela minúcia toda. O resultado é um currículo com coisas que não têm nada a ver umas com as outras! Nem com o curso tirado! LOL

    é a vida!

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  3. Querida Mari, eu bem tento, mas por vezes fico frustrada pela falata de tempo. Os fins de semana são tão curtos que acabo por aproveitá-los para estar em familia dado que moro sozinha e nunca vejo os vejo durante a semana. Entre esses compromissos e as tarefas domesticas e alguns compromissos, pouco tempo em resta para everedar por hobbies a dentro...como disse hoje a uma colega...hoje emd ia já fico feliz se tiver duas horas para ir ler um livro à praia!

    Obrigada pela força e pelo apoio!
    Bj

    ResponderEliminar
  4. Josefina...o problema do meu CV nem é a incoencia...porque salvo os primeiros 3 ou 4 anos da minha vida profissional, os ultimos têm sido todos na area financeira...e agora aos 33 anos é complicado deitar o esforço e o merito ao ar e começar de novo a ganhar 700€ ou 800€ sem estabilidade, sem experiencia....sem nada...

    portanto olha...vou-me ficando...mas tenho imensa dificuldade em imaginar-me a fazer isto aos 40 anos por exemplo...

    ResponderEliminar
  5. Se pensares que muita gente entre no mercado de trabalho aos 27/28... só tens mais 5/6 anos. Esses anos já te deram uma bagagem, já te deram experiência...

    Qualquer coisa que comeces agora, terás uma curva de aprendizagem mais rapida do que terias aos 27/28 (ou antes se fosse o caso).

    De qualquer maneira, a ter em conta é que aos 35 será mais dificil, aos 40 mais dicil ainda, aos 45 muito mais dificil... e o filme vai-se repetindo...

    Isto leva a outro ponto que já debatemos, sem ser sobre este assunto especificamente: a vida a dois é também estarmos lá para suportar quem Amamos, nestes momentos de duvida e, se for o caso, ajudarmos a encontrar novos rumos...

    Sozinha contas contigo o que, como disseste e bem, limita bastante as opções pois não é fácil voltar à casa de partida e iniciar o jogo com 700 ou 800 euros... e muitas vezes já com uma serie de compromissos assumidos para quem ganha 1000, 1500, 2000 etc...

    Mas cada um faz as suas opções e vive com elas. Bem ou mal!

    O que eu acho é que, na esmagadora maioria das vezes, as opções são feitas para o momento ou, no máximo, para o curto (diria até curtissimo) prazo...
    Ninguém pensa que a vida é um longo caminho, em que tens de pisar chão muito difrerente ao longo desse trajecto. Quando a arei é fina e macia, vais bem sozinha e nem pensas em mais nada; quando caminhas sobre calhaos afiados, dava jeito ter uma mão para ajudar a passar essa fase mas, por opção, ela não existe...

    Ninguém investe em coisa nenhuma e o resultado é esse: cada um por si...

    Beijinho carinhoso

    ResponderEliminar
  6. Carrie, aconteceu comigo...nunca me senti excelente em nada...mas era(sou)boa em muita coisa...
    Tropecei, caí, fiz das tripas coração...
    Descobri aos 33 anos, por acaso e pelas vicissitudes da vida que afinal trocaria os números pelas letras.
    Não me arrependo e faço o que gosto, mas por vezes...sinto falta de qualquer coisa, mas ainda não descobri o que seja...
    Sinto apenas que tem que ver com artes e com o jeito que tenho de "mãos"...
    Enfim...devo ser "complicada"

    Beijinho (já tinha suadades de vir aqui...)

    ResponderEliminar
  7. Olha, eu sempre achei que sabia o que queria... Agora, dou por mim a pensar que se calhar era melhor ter seguido outra área, que talvez tenha feito mal em não experimentar outra coisas...Mas, depois, outros dias, nem sequer penso no assunto.

    Está atenta às oportunidades, quem sabe o que o futuro reserva a uma linda Carrie?
    BJ

    ResponderEliminar
  8. Miguel,

    Eu já ando no mercado de trabalho desde os 18 porque sempre trabalhei, portanto trabalho há 15 anos. Obviamenteque à séria desde os 22 anos, 45/50 horas por semana...portanto o meu CV de "adulta" já conta com 11 anos não de experiencia mas de carreira consolidada. Agora é dificil por mtos motivos mudar de carreira...

    Quanto ao apoio e ajuda...sempre fui eu por mim...estou habituada...confesso que até me seria dificil, conhecendo-me como conheço, deixar que alguem segurasse as pontas por mim...

    ResponderEliminar
  9. Pois... podias até ter começado aos 15... Não invalida nada do que disse que foi, por outras palavras, que SE muita gente começa a vida a serio aos 27/28, que mal pode ter mudar de rumo aos 32/33?

    É dificil e complicado?
    É!
    É impossivel?
    Não!

    Será mais dificil em cada ano que passa e um dia será mesmo impossivel!

    Quanto ao resto, cada um entende como quer.
    O que digo é que a vida é feita de opções e quem opta por estar sozinho, legitimamente, claro, conta só consigo e mais nada.

    Mas a vida, no meu entender, não foi feita para estarmos sozinhos e, eu acho, cada vez mais isso é evidente pois cada vez mais as pessoas estão sozinhas (no sentido de contam com elas e mais nada!) e as coisas são cada vez mais dificeis, cada vez de exige mais, cada vez a pressão aumenta mais (quantas vezes já falaste disso?) e tudo isto empurra-nos ainda mais para não ter tempo sequer para investir em relações a serio.

    A vida é muita mais que isto e passa por relações serias e equilibradas, em que as pessoas se dão aos companheiros, se ajudam, se mimam, partilham e crescem juntos (porque crescer é um processo de uma vida!).
    Ajudar quem se ama é, acima de tudo, um prazer. Acredito até que saibas isso.
    Saberes que vives e partilhas a vida com uma pessoa que está ali para ti sempre que precisares - e precisamos tantas e tantas vezes ao longo da vida - é fantástico (ou deveria ser pois a maioria das pessoas nem liga a isto...) e isso faz parte da vida como eu a entendo.

    Indo ao teu caso concreto, que pareces descontente com o que fazes, pelo menos o suficiente para questionares isso, imagina que tinhas familia... Se isto é realmente uma coisa que é importante para ti, a pessoa com quem estaria, com certeza, teria todo o interesse e até prazer em ajudar-te a encontrar um novo rumo nem que tivesse de segurar as pontas durante algum tempo...

    Mas já percebi que isso para ti é um problema...

    ResponderEliminar
  10. ...tens razão em tudo, mas fazer estimativas e calcular "se's" não leva a lada algum...

    não há ninguem para segurar as pontas...ponto.... (passe a redundancia)....e mesmo que num futuro proximo apareça alguem, não será incumbido, com toda a certeza de me dar a mão, nesse departamento.

    Aliás se eu fosse de me deixar apoiar por outros neste momento trabalharia na media capital com uma bela carreira...provavlemnte seria estupidamente feliz e realizada profissionalmente...mas não aceitei "apoios" nem do meu papá...

    ResponderEliminar
  11. Doa-me a demasiado orgulho...

    Tudo o que é demasiado acaba por deixar de ter só o lado bom e passa a ter um lado negativo...

    Ninguém fala em arranjar apoios para isto ou para aquilo.
    Falo das coisas que considero naturais e belas da vida como "eu estar aqui para ti e tu estares aí para mim"... Entendes?

    Coisas porque sim, porque são as que nos dão prazer... Não porque sou obrigado, porque depois tiro beneficio disso, etc...

    Os SES existem sempre e cabe a nós transformá-los em algo concreto ou não.

    Podia dar-te aqui mais umas razões, mais "intimistas" talvez, mas não vale a pena.

    Beijinho e bom fim de semana

    ;)

    ResponderEliminar
  12. Como eu me revi neste post!ainda não comecei o meu percurso profissional, mas acabei o curso há uns meses e nem coragem tive de começar logo a estagiar, tal é a vontade de confirmar que não gosto mesmo disto...até lá vou fazendo um grande esforço por lutar por ser feliz nos restantes aspectos da vida.

    Mas a verdade é que passamos muito tempo da nossa vida a trabalhar, demasiado tempo para não gostarmos do que fazemos!

    ResponderEliminar
  13. Gelatina....tu que vais muito a tempo...aproveita e vai já pregar para outra freguesia!! Não faças como eu!

    E digo-te pro experiencia propria que daqui a dez a nos a sensação que terás se continuares na tecnica de tentar ser feliz no resto dos aspectos, é que colocas a vida em standby de segunda a sexta e só viver 48h por semana...que é basicamente o que eu faço...e todos os dias de manha penso...só falata mais x dias para o fim de semana...porque a minha vida mesmo, aquela que eu gosto e que asusmo como minha, construida por mim, é a do fim de semana...mas quantos anos já mandei fora se somar os 5 dias por semana dos ultimos 10 ou 15 anos!? Demaisado tempo...e a partir de uma certa idade...o tempo começa a ser um bem precioso!

    Bem vê por mim, que estudei comunicação e acabei na area financeira que a nossa formação nem sempre determina o percurso...se tens uma ideia do que gostas de fazer, já estás a anos de luz de mim...força nisso miuda!!!

    ResponderEliminar
  14. Querida Vi...como a compreendo...eu começo a suspeitar que essa parte de "trabalhos manuais ou artisitcos" será sempre uma necessidade em mim...e penso em imensos projectos e com falta de tempo acabom por ser apenas ideias.... eu sempre tive queda e gosto pelas artes e basicamente tudo o que seja processo criativo e envolva trabalho manual...
    Acho que são actividades....terapeuticas...

    nota: sabe que é sempre mto bem vinda!!!
    bom fim de semana

    ResponderEliminar
  15. Tens razão Sofia... é estara tenta...a vida muda d eum dia para o outro...e eu acho que estamos em tempo demudança...sinto-o na alma há algum tempo... acho que a vida é feita de ciclos e acho que estou pretes a encerrar este..vamos ver!

    E tu...se vives bem com aquilo que fazes... não penses nisso...aproveita que és das poucas privilegidas que acorda de manha com vontade de ir trabalhar!

    Bjo grande querida!

    ResponderEliminar

Lovelly, but not for me!

Lovelly, but not for me!