sexta-feira, 29 de julho de 2011

Este ia ser o POST positivo...quase iluminado

Nos dias mais cinzentos, reclamo da vida. Reclamo de tudo um pouco. Penso no emprego que gostaria de ter e não tenho, na vida que gostaria de levar e não levo, de quem gostaria de ter a meu lado e não tenho, de quem gostaria de ver bem e não vejo.


E os dias sucedem-se assim e vamos trabalhando, praguejando, sorrindo, andando, debatendo, sofrendo, lutando, apostando, confiando, amando, perdendo, conhecendo, sonhando, imaginando, reclamando, descansando, pensando, caindo, levantando, reerguendo, indo a jogo, falhando, construindo, sucedendo, pressionando…

E nos dias de sol e mar… retiro-me do palco que é a minha vida, olho-me da perspectiva do espectador e penso…. Isto, nada mais é, que a vida a acontecer.

Tem de haver equilíbrio entre o que sonhamos, o que conseguimos, o que perdemos, para que possamos atribuir real valor à intensidade do caminho da vida a desenrolar-se a cada segundo à nossa frente como uma estrada livre pronta a ser conquistada.

                                        ........................................................
Por esta linha estava a receber um telefonema...de alguém que mais uma vez está ser completamente "endrominado" por uma mulher... que prende o filho num fio em frente do caminho tal e qual cenoura em frente a BURRO!

E só por isso...neste momento não me apetece sair do palco... apetece-me permancer por aqui a nadar nas lagrimas de autocomiseração que me rolam 4 a 4...

É sempre duro...ver alguém a ser manipulado...conscientemente manipulado, em caminhar ao encontro de outra pessoa porque é mãe do filho ...

Como ouvi alguém dizer: estar com alguem por causa de um filho, é como estar com alguem por dinheiro. É estar por motivos externos e alheios à pessoa sem si....é estar por um interesse ainda que nobre ou não...

Posto isto "assiste-me" dizer: FODA-SE que a gaja joga sujo cm'ó caralho!

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Depois da Tempestade... vem o quê?

Tomei uma decisão contra-natura.

A decisão de não tomar decisões....
Para quem, como eu, sofre por antecipação e gosta de tudo certo e definido...isto é uma tortura, mas em simultaneo permite-me alguma tranquilidade interior. Está tomada a decisão de não fazer absolutamente nada.

E refiro-me a tudo. À minha vida profissional e à minha vida emocional ou privada.

Não há solução que me agrade à vista, para qualquer um dos sectores, as alternativas em qualquer dos casos são extremistas e absolutas, pelo que...parei o abrco, desliguei os motores e durante tempo indefinido, vou ver onde a vida me leva... Há que aceitar que há coisas que estão fora do nosso controle... e aquilo que podemos controlar efectivamente pode nem alterar o panorama geral, por isso, para que everedar esforços quando o resultado não será diferente nem sequer o desejado.... vamos aguardar, pode ser que as permissas mudem....já que o tempo é um optimo conselheiro...e daqui a uma quantidade de tempo aind apor definir, volto a reapreciar os dados das questões para saber se está ou não na hora de tomar posições.

Eu sou uma pessoa de decisões difinitivas.... tambem sei que sou muitas vezes implusiva, especialmente na minha vida particular já que na vida profissional não em posso dar ao luxo... por isso...como dizia uma granda amiga minha: calma, descontração e estupidez natural.... pareceu-me, face às alternativas, ser um lema a adoptar...
Aderir ao movimento slow down da tomada de decisões...

Se não gosto do que faço mas ainda não apareceu anda melhor, o sensato é dar graças a Deus de ter emprego e ficar quietinha... ainda que sem qualquer tipo de motivação ou sequer satisfação.

Se não gosto para onde caminha a minha relação e a alternativa, à falta de melhor, é termina-la, mas isso iria trazer-me dor que posso perfeitamente sentir depois porque será igual...pois bem.... é isso que farei...

E assim, aqui ando eu, contra-natura.... a tentar respirar tranquilamente sem fazer ondas em tempos de tempestade.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

um novo dia num mundo velho e sem valor

It's a new day.

Não é um dia de verão para mim, nem tão pouco um dia novo luminoso e cheio de esperança. É apenas mais um dia que nasceu, só para mim.

Carrie Bradshaw entregou os pontos e desisitiu. Há que perceber que batalhas podemos ou não perder, mas sobretudo há que admitir e sair em retirada quando a guerra foi perdida.

Quando se diz "all is fair in love and war"...discordo, inteiramente.

Não concordo que seja um vale tudo... vejo-o diariamente mas não concordo. Não acho justo os filhos serem usados como moeda de negociação, muito menos como conta peso e medida de amor e menos ainda quando usados para chantagear...

Não concordo com gravidezes para prender maridos MAS sobretudo não concordo que os maridos se deixem levar por estas traições premeditadas....

Posso tentar começar a compreender que a dimensão do amor por filho possa levar-nos a suportar tudo...mas não concordo nem percebo que educação e valores pode um casal miseravelmente infeliz passar a uma criança. Sempre concordei com o Dr Phil: "the best gift you can give your children is happy parents"

Hoje estou de rastos abatida por perceber que o mundo ainda está à mercê da falta de valores... maioritariamente à mercê de egoismos, egocentrismos...sem qualquer preocupação pelos sentimentos alheios...
Amor à força!

Não se usa... e eu não quero faezr parte disso...

sexta-feira, 15 de julho de 2011

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Tomates

Apetece-me gritar! Partir a loiça toda... partir para a violencia!

Quero respostas!!! Detesto ram-ram's! FODA-SE! Ganhem BALLS!

Há homens que são ratos!

Desculpem-me a linguagem que eu hoje sinto-me ordinaria mas a realidade é que "ou fodem ou saem de cima"!

terça-feira, 12 de julho de 2011

"Forrest Gump: My momma always said, "Life was like a box of chocolates. You never know what you're gonna get."


O silencio é gritante e ensurdecedor...

segunda-feira, 4 de julho de 2011

O Amor e a Amizade na memoria, no coração

Hoje, Carrie Bradshaw, nascida a 4 de Julho.... (really!) fez 34 anitos...

E tenho um unico pensamento ao final deste dia...  "não me recordo de um ano em que tivesse recebido mais telefonemas, mais sms's, mais mensagens de FB, emails, sinais de fumo, pombo correio etc.."

Hoje tive a melhor sensação do mundo.... que sou lembrada e amada...

Este foi o melhor presente de sempre.

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Condutores de carros e vidas

Já é tema recorrente aqui neste blog as tecnicas de condução automobilista... mas nunca é demais reforçar a ideia de que NÃO SUPORTO gente enconipada a conduzir.

O teste de condução deveria ser um processo continuo por exemplo, ao fim de 2 anos de se ter a carta deveria ser feito novo teste com um novo ponto de analise: se o condutor em questão é ou não expedito AKA desenrascado a conduzir.

Caso não fosse, passa a andar de transportes publicos.

O numero de pessoas "atadinhos" a conduzir são um perigo e estou convicta de que causam tantos ou mais acidentes que os "aceleras" (não quer dizer que uma condição exclua a outra. Há por ai muito acelera enconipado)...

As pessoas que param a meio da rotunda para ceder prioridade.
As pessoas que hesitam hesitam e decidem atravessar o cruzamento no exacto momento em que já não há tempo para o fazer
As pessoas que não têm noção do espaço e estão convictos de que o seu Mercedes é do tamanho do autocarro da carris
As pessoas que veêm uma pessoa no passeio "com ar" de quem vai atravessar mesmo sem passadeira à vista e poêm o pé a fundo no travão
As pessoas que vão constantemente com o pé no travão (quem vêm atrás fica mareado do vai vem)
As pessoas que não respeitam os limites minimos de velocidade (e já agora porque é que a policia não multa estes condutores?!)
Pessoas que não saem do lugar de estacionamento se quem estiver para entrar, estiver no mesmo corredor  a aguardar.

Estes são os exemplos mais comuns do especime "condutor enconipado"

São exemplos de condutores que deveriam ser sujeitos a avaliação mais aprofundada com vista a decidir se estão aptos a andar na rua ou não.

Outra caracteristica destes animais é a facilidade com que se irritam ao ser, ultrapassados, buzinados ou sinalizados, ou simplesmente, contornados!

Enfim... as pessoas conduzem os carros como conduzem a vida e é por isso que há tanta gente estagnada, parada e que leva vidas miseravelmente infelizes e nada fazem para o mudar...
Pois deveriam começar pela condução..

Lovelly, but not for me!

Lovelly, but not for me!