segunda-feira, 25 de junho de 2012

Eh pah! Já chega!

Lá está, a comprovar que a sarna vem em bando!

Agora tenho um puto quase 10 anos mais novo a sarnar-me o juizo!!
É que não pára! Eu já expliquei que somos amigos, eu adoro-o MAS não sou da geração SMS! Que mania pah! Ter conversas inteiras por sms!
Que coisa pavorosa! Que habito horrivel! Não há paciencia!

Irraaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

O que vale é que cresce!

Como uma "coisa" nunca vem só... parece-me que ao decidir mudar de visual, comprei um bilhete de luta livre para um combate por Knock Out, onde o vencido foi a minha auto estima...

POis é...sexta feira passada, cansada do cabelo comprido que uso há mais de 10 anos...decidi por-me nas mãos de um profissional... lá fui eu "à cidade"... ao fim do dia ser analisada por um "expert" na materia...que me informa que para o formato do meu rosto, tinha duas opções: ou curto ou mais curto com franja... coisa que nunca tive, a vida inteira excpção feita ao meu sexto aniversario em que decidi fazer-me uma mim mesma, com a tesoura da escola...

Dizem-nos que a força motora da mudança somos nós e a nossa vontade, pois vontade e coragem nunca me faltaram e queria começar a mudança por algo que dependesse de mim...de forma a dizer ao universo: BRING IT BITCH.... que eu não brinco em serviço..

Saí de Lisboa já com o sol posto .... e fui a namorar-me no retrovisor o caminho todo até Cascais... durante aqueles Km's senti-me a ultima coca-cola do deserto ...e ainda bem que tive esses momentos de puro deleite... porque desde sexta feira que o os comentários têm sido muito mauzinhos. A começar pelo classico...o meu pai...de quem já esperava a reacção que teve.... chego a casa deles, nem me cumprimenta, perde 5 segundos a processar e depois diz enquanto sai da sala: "nem vou comentar mas fica-te mal!"...

Os meus amigos mais chegados dizem-me que fico "diferente"...nós sabemos que o diferente está para esta situação como o "simpatica" está para a avaliação de beleza... um diz que parece que tenho os olhos "muito em cima"... whatever that means..., o outro pediu-me para nunca vir de franja e sabrinas....

À excepção da minha melhor amiga e de uma amiga que é modelo... quase niguem gostou...

Eu acordo de manha e penso.... "what the fuck did I do" , mas depois de arranjada gosto. E cada vez que olho ao espelho gosto mais... fica sofisticada, conceito que numa vila tradicional como Cascais é tão bem recebido quanto qualquer "mudança"...

Pelo que agora tenho de ser eu a entrar em auto-manutenção turbo da minha auto estima...

'Cum camandro.... eu em busca de uma bafurada de ar fresco... e afinal comprei um duelo de "vale tudo"....

sexta-feira, 22 de junho de 2012

"gente"



Não odeiam aquelas pessoas que na passadeira aproveitam e  fazem a rua inteira na diagonal???? Não dá uma vontadinha de lhes passar com o carro por cima?!?!?!

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Tecnica do penso rapido

E tal e qual penso rapido... assim foi...de uma só vez, à bruta....  só doi no momento...
E agora...life goes on... tranquila e numa sucessão de dias iguais... a isto se chama, paz....

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Deslarguem-me!!!!

O que me irritam as pessoas “autistas sociais”… aquelas que vivem na sua própria realidade alheias ao mundo cá fora e às liberdades e direitos dos outros…

Muita tinta e pelicula já correu, a contar uma ou outra historia corriqueira de uma qualquer pessoa abandonada a lutar pelo seu amor…

Contam-se novelas acerca da perseverança excessiva e obsessivas das mulheres… mas digo-vos uma coisa…. Um homem apaixonado é um milhão de vezes mais dramático e menos “gerivel” que uma mulher…

Um homem convencido de ter encontrado o amor da vida… é pior que 3 mulheres histéricas juntas…

Uma mulher ofende-se, sente-se rejeitada…os homens nesta situação ( e falo com uma amostragem significativa em analise) fazem-se de autistas…

Uma pessoa diz que terminou, acabou, pertence ao passado(pela enésima vez no ultimo mês e meio…-eu quando morrer vou para  o ceu-) e… 3horas depois recebe um telefonema a convidar para passar o fim de semana fora…a dois…

Uma pessoa pede para que siga e não perca tempo, e eles assumem que é uma “fase” que nos passa…
Os homens têm uma capacidade excecional para deflectir toda e qualquer responsabilidade pelas relações falhadas – ainda que nem haja culpa a admitir- e encontrar bode expiatórios onde não os há… agora a culpa não é do amor ter terminado, a culpa é do assunto desemprego me está a consumir de tal forma “ que me torna incapaz de ver e aceitar as coisas boas” que acontecem na minha vida… leia-se…ELE.

A capacidade para o autoengano e autoilusão é abismal…Sobretudo, porque por incrível que pareça “o resto do mundo” diz perentoriamente que eu e ele “ fazemos todo o sentido juntos” e todos têm certezas absolutas (com base em quê, eu não faço ideia) de que “pertencemos juntos”…

O problema é que a opinião “do resto mundo” valida este autoengano e portanto é muito mais bem aceite na psique masculina…do que a realidade…ainda que a realidade apareça escrita no ecrã de um computador pela mão do objeto amado (após varias tentativas falhadas de oralidade).

Prova do que acabo de escrever… é o terceiro telefonema do dia, em tom “de caso” a solicitar um café para debater a questão do não ao convite do fim de semana! BY THE LOVE OF CHRIST MAN! Get a fuckin’ grip!

Por vezes tenho mesmo que perguntar a quem me rodeia se tenho ou não namorado…porque estou a  ficar doida com isto e tenho momentos em que não tenho a certeza se efetivamente estou ou não solteira.

terça-feira, 12 de junho de 2012

A ironia de um blackout

A ironia que é que no unico dia no ano em que o TLM fica sem bateria a meio do dia... "o tipo interessante amigo de uns amigos com quem se troca olhares há uns 2 anos".... decide ligar...

Há coisas levadas da breca....

Pelo menos foi uma boa massagem no ego...

segunda-feira, 11 de junho de 2012

A importancia dos hidratos de carbono


Hoje estou num dia BLHEC.


Por definição, um dia BLHEC é um daqueles dias em que uma pessoa deveria poder dar ao luxo de ficar na cama se assim o quisesse, ir apanhar sol se o desejasse e sorrir e gargalhar se assim o determinasse.

Ao invés disso… num vulgar dia BLHEC, uma vulgar mulher, num dia bom ou mau de cabelo, tem de arrastar o rabo da cama, tem de se “embonecar”, meter-se no carro e ir trabalhar….

 Dependendo do grau de Blhequice, uma pessoa pode ou não ter força para aguentar a dieta que há duas semanas tem estoicamente cumprido…uma pessoa pode, ainda antes da hora de almoço ceder à tentação e ao conforto dos hidratos de carbono, prosseguindo a almoçar uma bela lasanha, seguida de pudim de ovos, café, e uma tablete de chocolate fruit & nut…pode ainda decidir que ainda não fez estragos suficientes para suprimir o buraco que ruge dentro da alma, e atacar impiedosamente um croissant com doce de ovos… tudo isto antes das 17h da tarde…

O problema dos dias BLHEC é a falta de disciplina mental…a falta de força emocional…

Num dia BLHEC… deveria ser crime, uma pessoa ser bombardeada com convites de ex-namorados que não entendem que uma pessoa tem coisas muito mais importantes em que pensar do que neles e nos convites deles….e deveria ainda ser crime levar com a puta da conversinha do “vais ver que vai ser ótimo” ou melhor ainda “vai ficar tudo bem”…porque na verdade ninguém SABE, nem ninguém GARANTE…

Já ninguém aguenta o “mas tenta abstrair-te”…. Tento abstrair-me de quê exatamente!? Do fator desemprego? Da desvalorização profissional? Na insegurança e incerteza do futuro? Ou do facto de não haver ninguem lá em casa para aguentar o barco nos entretantos!?!??! Como se uma pessoa se pudesse esquecer que tem um bilhete de ida para o desemprego pela primeira vez na vida…e sem perspetivas concretas de outro caminho?!?!?!?

Mais valia dizer: “epah, tens razão! Tás fodida!...olha se precisares vai lá a casa pedir uma sopa!”

 As pessoas não entendem que não se trata apenas de um emprego… trata-se da minha identidade enquanto pessoa, profissional, mulher. Trata-se da minha independência…autonomia… trata-se da minha imagem de mim mesma…

quinta-feira, 7 de junho de 2012

A unica vez na vida

Acontece-me repetidamente ter saudades do meu primeiro amor.... saudades de dor doce e profunda. Saudades indiziveis...afinal a vida seguiu...tem seguido, sempre...

Quem me lê sabe a história do meu primeiro e grande amor... aquele que tentei...tentamos reproduzir, uma, duas, três vezes...aquele que foi magico porque foi unico.

Hoje tenho saudades dele. Há dias assim... Nem sei bem definir se tenho saudades dele ou da forma como me senti todas as vezes que nos voltamos a apaixonar... todos os reencontros..

Estava aqui no sofá mais desconfortavel do mundo, o meu sofá, perna para cima, gelo....consequencia de mais um acidente "surfistico" desta tarde...e deparei-me com o seguinte texto...que me deixou nostalgica... e ligeiramente in love ao relembrar o meu Alexandre:

Sabe-se que um amor foi o primeiro quando ele continua a ser o único. Ou quando se perdeu para sempre, mas ficou na memória, tantos amores depois. Uma espécie de impressão digital, lembrada com uma doce nostalgia ou recordada com um amargo de boca. E aqui, os detalhes contam. Um gesto, um tom de voz, uma palavra dita de certa maneira, uma música, um acessório de vestuário podem espoletar, num momento ou circunstância, essa cena primordial, remetendo sem aviso para uma dimensão outra que, de uma forma singular, moldou a pessoa que um dia fomos. Ou que ainda somos.

(...)

No livro Os Meus Problemas, Miguel Esteves Cardoso é peremptório: “O primeiro amor sofre-se principalmente por não continuar. Anos mais tarde, ainda se sonha retomá-lo, reconquistá-lo, acrescentar um último capítulo mais feliz ou mais arrumado. Mas não pode ser (…) Depois do primeiro amor, morre-se e quando se renasce há uma ressaca. (…) Parece impossível porque foi. Não deu nada do que se quis (…) É por ser insustentável e irrepetível que o primeiro amor não se esquece.”
A perda da inocência associada ao processo, que marca o “antes” e o “depois”, é que torna um evento que seria banal numa marca de percurso, como explicou a socióloga Laura Carpenter à revista Psychology Today: “É a única vez na vida em que uma pessoa se entrega sem saber o que é ser magoado nem ter o coração partido.”
in Maxima


É a unica vez na vida em que verdadeiramente acreditamos, tal e qual fé inabalável, no sentido da expressão "para sempre"...

domingo, 3 de junho de 2012

Cerimonias do Demo

Fim de semana... não diria horrivel, mas tenho vontade...

Ontem, um casório... ahhhh o que eu odeio casamentos... porque será que ninguém compreende isto? EIN?

O que há para gostar em casamentos????? Gasto estupido de dinheiro.. é vestido, sapados, pochete, cabeleiro, presente... mas o que mais me chateia gastar, é tempo!
Isso sim, mata-me...perder um dia inteiro...

Agora está na moda uma grande missa.... 90% dos casamentos com missa long version, são de noivos que desde o batismo não haviam posto pé numa igreja, nem sequer no Santuario de Fátima...

Eu não compreendo.... fazem questão de fazer mais um sacramento, não pelo significado religioso mas porque "é bonito"... fazendo os convidados levar UM SECÃO de mais de um hora numa qualquer igreja...
Outro ritual que não entendo é, o porquê dos homens chegados à igreja, irem em busca da tasca mais proxima e as mulheres ficam a fazer sala...já alguma vez manifestei o meu mais profundo desagrado à segregação sexista!?!?!? É cretino...e deixa-me cheia de raiva, homens que da minha geração e mais novos adoptam este comportamento...mas, mooving on...

Após este tormento e o seu preludio.... as fotos em casa do noivo ou da noiva... segue-se outro tormento... as fotos no local do copo de agua...quando finalmente nos sentamos à mesa, que é de facto a unica parte boa de um casamento... já a fome se foi... deu lugar à desidratação...que deu lugar ao gin tonico que deu lugar a uma leve dor de cabeça e uma grande vontade de fugir dali...depois segue-se a seleção musical.... habitualmente horrenda...quanto a mim... já assisti de tudo...desde os amantes do rock, aos amantes da musica popular portuguesa ao amantes da musica de todas as historias infantis da Walt Disney, já vi uma noiva entrar ao som da banda sonora da Pequena Sereia (quase tão ridiculo quanto mulheres feitas gostarem da Hello Kitty...mas são gostos).... todo e qualquer um.... mau, simplesmente mau...Ontem a ordem do dia foi pimpalhadas e kizombas... venha o diabo e escolha...

Mau o suficiente ver gente feia, aperaltada em indumentária pavorosa, mas ouvir aquela musica...era tortura...paga!!!! E assim...tendo acordado às 4:50 para conseguir surfar, estar no casório às 11h e sentar-me a almoçar às 17h.... pelas 20:30h...e acompanhada por olhares reprovadores... saí... vim pra casa... ao som de "mas ainda nem se partiu o bolo!!! " ou melhor "então e o fogo de artificio?!"... e eu penso... "Como eu não pertenço a este mundo"!!!!

Casório como deve ser, daqueles que eu faria se um dia por acaso batesse com a cabeça e me casasse.... até hoje assisti a um: praia, por do sol, 50 pessoas no copo de agua, sem igreja...fieis a si proprios... ponto, a começar às 19h e a terminar às02h...chega e sobra! Quase todos os outros foram motivo de ostentação idiota brindada com uma falta de gosto atroz.... tipico dos meios mais pequenos... estes são os casorios folclore.

O casamento, foi, em tempos perdidos, uma cerimonia, um ritual, bonito... simples... hoje em dia...perdeu-se...e eu... por norma... dispensaria ter feito parte de pelo menos 80% deles, até porque, tal como o de ontem... não foram celebrados por amor... mas porque "estava na hora".... e eu pergunto há motivo MENOS valido que esse!?

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Diz-lhe que não quero repetir

Esta semana passou de fugida e nem tempo tive para vos contar mais um DATE ...pois é... vai começar a epoca do ridiculo absoluto...I'm back in the Dating Game...e apesar de ter duvidas se alguma vez haverá outro mister "real live bullets and bombs" (http://sexoealocalidade.blogspot.pt/2010/05/porque-e-que-achei-que-desta-vez-seria.html ), estou certa de que ainda passarei por situações absurdas e ridiculas...no papel de atriz principal....

Para abrir as hostilidades, conto-vos do meu date desta semana....e porque os meus dates são sempre "arranjinhos" de alguma amiga descontente por me ver bem no papel de solteira......lá fui eu on a blind double date...

Então... o fulano, piloto... a minha amiga, pintou-o por 42 anos afinal eram 47 anitos... nem bem nem mal... do genero loiro de olhos azuis....portanto aquele genero que não faz o meu...
Digo-vos...conversa forçadissma... largos periodos sem nada que dizer... 4 pessoas sentadas à mesa, sem nada que conversar... AUTCH! "então este tempo hoje?".... sim, este nivel...

O meu date desata a embedar-se e começar a falar de boca cheia... a minha amiga casamenteira que já o conhecia estava incredula... o amigo que ele trouxe para fazer par com ela tinha 53 anos!!!! A minha amiga é uma top model italiana... estão a ver o filme?? É que eu não estava!

Cá para mim o amigo piloto está apaixonado pela minha amiga e aquilo foi tudo um plano para eu não gostar dele nem ela gostar do amigo!
... 53 anos de pura chatice... aborrecido até à quinta casa, brejeiro e demasiado horny para ser aceitavel.. um daqueles tipicos carecas portugueses com uma coroa de cabelo à Julio Cesar...estão a ver o cenário? O genero que a meio da noite conta um epsiodio no metro em LOndres que envolve a palavra "broche"...sim ....ele disse isto à mesa... duas vezes até...riu-se sozinho... o piloto perscutava o horizonte em busca d eum buraco negro onde se enfiar...

A minha amiga e eu, desconfortaveis com vontadinha de fugir dali! Onde está o charme e o cavalheirismo!? Ein!?

Enfim... foi um fiasco completo  e eu penso... "era tão bom que uma vez na vida uma destas coisas até fosse minimamente agradável"... mas não nunca o é, e eu tenho de deixar de ser querida e aprender a dizer NÃO às minhas amigas, por mais bem intencionadas que sejam...

Claro que agora a batata quente é dela: "Amiga, ele já me ligou a perguntar o que achaste dele, oq ue lhe digo?"

"Diz-lhe que não quero repetir"....

Lovelly, but not for me!

Lovelly, but not for me!