sexta-feira, 17 de agosto de 2012

The X- Files of the suburb....


Sempre me fez espécie a incapacidade de multitasking da comunidade senior citizen

Complica-me com o sistema nervoso, certas respostas que ouço dos meus pais…e por algum tempo achei que o problema era deles…mas começo a aperceber-me de que o problema é transversal à faixa etária, leia-se, classe desocupada…

Não consigo deixar de franzir o sobrolho, quando pergunto aos meus pais porque não vão passar o dia/manhã/tarde à praia, já que moram a pouco mais de 3km da dita e estes me respondem quase de forma indignada: “não dá! Amanha é dia de ir ao continente” ou melhor ainda “não dá amanhã a mãe tem cabeleireiro (ou manicure ou dentista)!”…

E eu cá dentro questiono-me, quantas horas terá, um dia normal na vida de um casal reformado aos 58 anos…porque o meu dia tem 24h… levanto-me às 4:30h, vou de Cascais à Costa surfar 2 horas, volto a casa, arranjo-me e vou trabalhar das 10h às 19h, passando ainda pelo supermercado antes de ir para casa ou para algum compromisso social… e mesmo ao fim de semana…. Lá estou eu dentro de agua às 6:30h, para apanhar sol até às 12h, ir almoçar com a famelga até às 15h, fazer as lides domesticas, tomar café com uma amiga e quem sabe um cinema…

Ora quem não trabalha, não faz absolutamente PONTA DE CORNO…. AKA point of a horn… não pode ir ao supermercado e AINDA à praia!??? Não se compreende….

São respostas que vêm do mesmo sitio estranho do “cinema?! Que disparate! Tenho lá saúde para ir ao cinema?!!!!!”

Não se compreende… é non-sense…



Hoje fiquei novamente estupefacta com: “Amanhã a família Costa, afinal não vem almoçar connosco, porque o neto faz anos hoje e a Sonia casa-se dia 11 de setembro”….e eu fico ali…no suspenso do meu espanto… à espera de outra afirmação que justifique condignamente a anterior… mas não… nada….

Por isso começo a compreender que quanto menos se faz menos tempo se tem…. Quanto menos ativos se é,  menor a capacidade de acumular tarefas, o que me leva a concluir através de uma dedução primaria, que perdemos gradualmente a nossa capacidade de fazer/agir…

Chegam as rugas, vai-se a pro-atividade… Chegam os cabelos brancos, chega a preguicite aguda…. Chega o reumático… e o tempo disponível evapora-se como que por artes magicas…ou por outra torna-se invisível, porque ele está lá, apenas não o veem…

Juro que não compreendo e na verdade não quero compreender!!! Porque tenho um certo receio que ao compreender, automaticamente o meu cérebro processe e um dia quando me reformar, ao invés de aproveitar ao máximo o resto da minha vida, comece pavlovianamente a ter (in)capacidade para uma misera tarefa diária…

2 comentários:

  1. ahahahahahaha ai siamesa o que eu me ri!
    Mas sim tens razão é mesmo isso que se passa!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um fenomeno digno do Mulder não é????

      Beijos mil!

      Eliminar

Lovelly, but not for me!

Lovelly, but not for me!